Concordância

As línguas têm uma série de regras pré-definidas que ajudam em sua construção enquanto mecanismo de formação de sentido e comunicação entre as pessoas. Uma das mais importantes e, por vezes complicada, é a concordância gramatical, elemento essencial para compreender e falar a língua portuguesa de maneira correta.

A concordância gramatical é a relação entre duas unidades gramaticais: uma amostra uma característica particular (tal como gênero) consistentes com uma característica do outro. Na língua portuguesa, esta conformidade requer que os modificadores concordem com os substantivos que modificam em número e gênero (exemplo: o gato, os gatos, as gatas).

No entanto, nem todos os idiomas possuem essa regra de correspondência. Por exemplo, em inglês apenas isto e aquilo (“isto” e “aquilo”) mudam sua forma para estes e aqueles para mostrar a concordância substantiva-determinante. Por outro lado, a concordância gramatical em línguas altamente sintéticas é geralmente muito alta.

Tal é o caso do latim, onde os adjetivos concordam em número, gênero e caso com os substantivos que eles modificam. Isso pode ser evidenciado em vir bonus e Bonis viri (“homem bom” e “homens bons”, singular e plural), Femina Bona ( “boa mulher”, o sexo feminino) e bonae feminae ( “uma boa mulher” caso de gênero).

Leis de concordância

Na língua portuguesa, os acidentes gramaticais de número, gênero e pessoa devem necessariamente coincidir entre certos elementos variáveis ​​das sentenças.

Dois tipos de acordo gramatical são distinguidos. Uma delas é a nominal (coincidência de gênero e número); o segundo é verbal (coincidência de número e pessoa).

Assim, o substantivo deve concordar com o artigo (e outros determinantes) ou adjetivos que o acompanham. Exemplo: “Me dê os papéis amarelos”, nesse caso como o substantivo está no plural e masculino, assim também estão o artigo e o adjetivo.

Além disso, o pronome deve concordar com seu antecedente ou consequente

Há acordo gramatical entre sujeito e predicado, sujeito e predicativo ou assunto e particípio do verbo no perifrástico passivo: “João é um professor, ele é jovem e trabalha todos os dias”

Quanto à concordância verbal, o assunto deve concordar com o seu verbo tanto em número como em pessoa: “Ele cantou durante toda a tarde”; “Eles cantaram durante toda a tarde”.

Além dessas regras para concordância nominal e verbal, existem leis gerais que regem seu uso e serão explicadas abaixo.

Quando dois ou mais substantivos no singular são coordenados e representam entidades diferentes, eles serão considerados como um número plural tanto na concordância nominal quanto na verbal. Isto também se aplica no caso dos pronomes.

Exemplos

– É muito difícil manter o cão e o gato juntos.

– Eu comprei esta camisa e essas calças.

– O azeite e o vinagre não se misturam.

– Ele e ela estão separados.

Coordenação de dois ou mais nomes de diferentes gêneros gramaticais

Caso os substantivos coordenados (ou pronomes) combinem gêneros masculino e feminino, a forma masculina será tomada para a concordância gramatical.

Exemplos

– O homem e a mulher caminharam juntos (compare “a mulher e a menina caminharam juntas”)

– Ele pegou uma batata, uma cenoura e um rabanete e colocou em uma sacola.

Elementos coordenados com um pronome de segunda pessoa

Quando um ou mais elementos são coordenados e um deles é um pronome de segunda pessoa, para o acordo a segunda pessoa é tirada do plural (você) ou da terceira pessoa do plural (você).

Exemplos

– Estou convencido de que o bebê e você vão ficar bem (você).

– Estou convencido de que o bebê e você estarão bem (você).

No entanto, se um dos elementos coordenados for um pronome de primeira pessoa (mesmo se houver um pronome de segunda pessoa), a primeira pessoa no plural é levada a um acordo.

Exemplos

– Maria, você e eu sabemos muito bem o que aconteceu.

Exemplos de concordância gramatical

Abaixo estão alguns fragmentos da peça The Little Prince, de Antoine De Saint-Exupéry (1943). Nestes a concordância gramatical será analisada: primeiro a nominal e depois a verbal.

Concordância nominal

Fragmento 1

“[Você, rosas] Você é linda, mas está vazia”, ​​ele disse ainda. Você não pode morrer por você. Não há dúvida de que um transeunte comum acreditará que minha rosa se parece com você “.

Neste primeiro fragmento de gênero e número entre sujeito correspondência ( “você”, “rosas”) e predicativo ( “belo”, “vazio”), e também entre substantivos e determinantes (“um transeunte” observado ” minha rosa “).

Além disso, você pode ver o acordo no caso de pronomes. “As” tem como antecedente “rosas”, enquanto o antecedente de “os” é “você”.

Fragmento 2

“Mas ela sozinha é mais importante que todos vocês, já que ela é a rosa que eu reguei. Desde que ela é a rosa que eu coloquei debaixo de um balão. Desde que ela é a rosa que eu abriguei com a tela “.

Ao comparar a primeira frase com “Mas só ele é mais importante que todos vocês”, você pode ver claramente a concordância. Deve-se notar que o adjetivo “importante” não muda para o sexo masculino ou feminino.

Fragmento 3

“Desde que ela é a rosa cujas lagartas eu matei (com exceção dos dois ou três que foram feitos borboletas). Desde que ela é a rosa a quem eu ouvi reclamar, ou elogiar, ou até, às vezes, calar a boca “.

Da mesma forma, se versões alternativas são utilizadas, evidencia-se a concordância gramatical: “a árvore cujo tronco (…)”, “a [lagarta] que virou borboleta”, “as rosas” e “algum dia”.

Concordância verbal

Fragmento 4

“Como o planeta agora toma uma volta completa a cada minuto, eu não tenho um segundo para descansar … Isso não é engraçado”, disse o acendedor de lampiões. Já faz um mês desde que você e eu estamos conversando “.

Neste último fragmento observa-se como os sujeitos concordam em pessoa e número com seus verbos. Do mesmo modo, é apreciado que os pronomes coordenados “você e eu” tomam a primeira pessoa plural na conjugação.

Deste modo, mudanças no número ou pessoa implicarão mudanças na conjugação: “os planetas dão”, “nós não temos”, “eu disse” e “você e ele estão falando”.