Dom Pedro II

Dom Pedro II – Em 2 de dezembro de 1825, Pedro nasceu na residência imperial de São Cristovão. Quando seu pai, Pedro I, abdicou em 1831, o jovem Pedro tornou-se literalmente a ala da nação. Sua educação, tão rigidamente estruturada que quase todo o seu tempo de vigília foi gasto em estudo, o preparou bem para seus futuros deveres.

Até Pedro atingir a idade de 18 anos, o Brasil deveria ser governado por uma regência, mas durante um interregno de 9 anos o império quase se desintegrou. Reconhecendo o total fracasso da regência, os liberais forçaram uma declaração da maioria de Pedro em 23 de julho de 1840. Em 1843 ele se casou com a princesa Thereza Christina de Nápoles. Em 1850, a ordem foi restaurada e a monarquia entrou em uma era de estabilidade interna.

À primeira vista, o governo de Pedro II assemelhava-se ao sistema parlamentar britânico, mas na realidade o imperador era o senhor do estado. Seu exercício judicioso do poder moderador criou um equilíbrio político que garantiu a paz doméstica durante a maior parte do seu reinado de 49 anos.

Por mais de duas décadas, Pedro teve que lidar com a preeminência econômica e política britânica – uma herança do antigo Império Português. Ele encontrou uma grande crise depois que o Parlamento Britânico aprovou a Lei Bill Aberdeen em 1845, quando os navios britânicos entraram arbitrariamente nos portos brasileiros e cortaram embarcações envolvidas no tráfico de escravos africanos. Em dezembro de 1862, a Grã-Bretanha bloqueou temporariamente o Rio após uma série de brigas entre marinheiros britânicos e autoridades brasileiras.

A intervenção de Pedro II no Uruguai dividido por facções envolveu o Brasil em uma guerra com o argentino Juan Manuel de Rosas em 1851-1852. As condições caóticas persistiram no Uruguai na década de 1860, e em setembro de 1864, como resultado de ataques a cidadãos brasileiros, Pedro enviou tropas imperiais. Capitalizando a situação, o ditador paraguaio Francisco Solano López atacou a região do Mato Grosso em dezembro.

O Brasil juntou-se à Argentina e ao Uruguai na Guerra da Tríplice Aliança (Guerra do Paraguai) em maio de 1865, mas suportou o peso da batalha, pois Pedro se recusou a aceitar compromissos ou mediação até que López fosse eliminado. O conflito de 5 anos foi caro para o Brasil: drenou o tesouro, custou 50.000 vidas e adiou muitas reformas internas urgentes.

Depois da guerra, uma conjunção de vários fatores serviu para destruir a dinastia de Bragança. Embora Pedro ainda fosse predominantemente popular, a monarquia não era. Ele encorajou o Partido Republicano, fundado em 1870, e as ideias republicanas circularam amplamente em uma imprensa cuja liberdade ele cuidadosamente guardou.

Na década de 1870, o Brasil experimentou seu primeiro conflito sério entre igreja e estado. Os bispos de Olinda e do Pará, ao contrário das ordens de Pedro, um ex grande mestre maçônico, continuaram a censurar irmandades em seus distritos que se recusavam a renunciar à Maçonaria. Quando os bispos persistiram em desafiar a autoridade civil, foram presos e sentenciados a quatro anos de trabalhos forçados no início de 1874. Pedro aliviou a situação em setembro de 1875 ao conceder uma anistia, mas já havia perdido o apoio do clero.

A questão da escravidão também enfraqueceu a posição do imperador. Embora ele fosse um ardente abolicionista, ele temporalizou a emancipação ao perceber que os fazendeiros proprietários de escravos eram seu maior apoio. Mas a proclamação da abolição total e não compensada, em março de 1888, alienou os senhores de engenho.

O principal fator na queda da monarquia, no entanto, foi a ascensão do militarismo. Após a Guerra do Paraguai, o exército, inspirado pelo positivismo, desenvolveu um desrespeito arrogante pela liderança civil. Uma doença grave em 1887 prejudicou grandemente a capacidade física e mental de Pedro, e sua inação durante o golpe do exército em 15 de novembro de 1889 condenou o império. Em 16 de novembro, a república foi proclamada e, no dia seguinte, a família real foi exilada. Pedro morreu em Paris em 5 de dezembro de 1891.