Durkheim

Émile Durkheim, um dos pensadores fundadores da sociologia, nasceu na França em 15 de abril de 1858. O ano de 2018 marca o 160º aniversário de seu nascimento. Para homenagear o nascimento e a vida desse importante sociólogo, veremos por que ele continua tão importante para os sociólogos de hoje.

O que faz a sociedade funcionar?

O corpo de trabalho de Durkheim como pesquisador e teórico se concentrou em como é que uma sociedade pode se formar e funcionar, que é outra maneira de dizer, como ela pode manter a ordem e a estabilidade (veja seus livros intitulados A divisão do trabalho na sociedade e o elementar). Formas de Vida Religiosa). Por essa razão, ele é considerado o criador da perspectiva funcionalista dentro da sociologia. Durkheim estava mais interessado na cola que mantém a sociedade unida, o que significa que ele se concentrou nas experiências compartilhadas, perspectivas, valores, crenças e comportamentos que permitem às pessoas sentir que são parte de um grupo e que trabalham juntas para manter o grupo. é de interesse comum.

Em essência, o trabalho de Durkheim era todo sobre cultura e, como tal, permanece profundamente relevante e importante para como os sociólogos estudam a cultura hoje. Nós nos baseamos em suas contribuições para ajudar a entender o que nos mantém unidos, e também, e muito importante, para nos ajudar a entender as coisas que nos dividem e como lidamos (ou não lidamos) com essas divisões.

Durkheim: Solidariedade e Consciência Coletiva

Durkheim se referiu a como nos unimos em torno de uma cultura compartilhada como “solidariedade”. Através de sua pesquisa, ele descobriu que isso foi conseguido através de uma combinação de regras, normas e papéis; a existência de uma “consciência coletiva”, que se refere a como pensamos em comum, dada a nossa cultura compartilhada; e através do envolvimento coletivo em rituais que nos lembram os valores que compartilhamos em comum, de nossa afiliação em grupo e nossos interesses compartilhados.

Então, como esta teoria da solidariedade, trabalhada no final do século XIX, é relevante hoje em dia? Um subcampo em que permanece saliente é a Sociologia do Consumo. Ao estudar por que, por exemplo, as pessoas muitas vezes fazem compras e usam crédito de formas conflitantes com seus próprios interesses econômicos, muitos sociólogos recorrem aos conceitos de Durkheim para ressaltar o importante papel que os rituais consumistas desempenham em nossas vidas e relacionamentos, como dar presentes. para o Natal e Dia dos Namorados, ou esperando na fila para estar entre os primeiros proprietários de um novo produto.

Outros sociólogos confiam na formulação do consciente coletivo de Durkheim para estudar como certas crenças e comportamentos persistem ao longo do tempo, e como eles se conectam a coisas como política e política pública. A consciência coletiva – um fenômeno cultural baseado em valores e crenças compartilhados – ajuda a explicar por que muitos políticos são eleitos com base nos valores que eles afirmam defender, em vez de basear-se em seu histórico real como legisladores.

Os perigos da anomia

Hoje, o trabalho de Durkheim também é útil para os sociólogos que confiam em seu conceito de anomia para estudar o modo como a violência geralmente surge – seja para si mesmo ou para os outros – em meio à mudança social. Esse conceito refere-se a como a mudança social, ou a percepção dela, pode fazer com que a pessoa se sinta desconectada da sociedade, dadas as mudanças nas normas, valores e expectativas, e como isso pode causar tanto o caos psíquico quanto o material. Em um sentido relacionado, o legado de Durkheim também ajuda a explicar por que interromper as normas e rotinas cotidianas com o protesto é uma maneira importante de aumentar a conscientização sobre os problemas e de construir movimentos em torno deles.

Durkheim: morte e legado

O ponto de ruptura veio quando seu único filho foi morto em 1916, enquanto lutava na frente dos Bálcãs. Durkheim estoicamente tentou esconder sua tristeza, mas a perda, vinda de insultos de nacionalistas que o denunciavam como professor de “aparentemente extração alemã”, que ensinava uma disciplina “estrangeira” na Sorbonne, era demais para suportar. Ele morreu em novembro de 1917.

Durkheim deixou para trás uma brilhante escola de pesquisadores. Ele nunca fora um mestre tirânico; ele encorajou seus discípulos a irem mais longe do que ele e contradizê-lo, se necessário. Seu sobrinho, Marcel Mauss, que ocupava a cadeira de sociologia no Collège de France, era menos sistemático que Durkheim e prestava maior atenção ao simbolismo como atividade inconsciente da mente. O antropólogo social Claude Lévi-Strauss também ocupou a mesma cadeira de sociologia e se assemelhava a Durkheim na maneira como combinava raciocínio com intensidade de sentimento, mas, ao contrário de Durkheim, ele se tornou um dos principais proponentes do estruturalismo.

A influência de Durkheim se estendeu para além das ciências sociais. Através dele, a sociologia se tornou uma disciplina seminal na França, que ampliou e transformou o estudo do direito, economia, instituições chinesas, linguística, etnologia, história da arte e história.

De fato, Durkheim não fez um ídolo da sociologia, assim como os positivistas educados por Comte, nem ele era um “funcionalista” que explicava todos os fenômenos sociais por sua utilidade em manter a existência e o equilíbrio de um organismo social. No entanto, ele se esforçou para formular uma ciência social positiva que pudesse direcionar o comportamento das pessoas para uma maior solidariedade.