Glândulas do corpo humano

Glândulas do corpo humano

Glândula, célula ou tecido que remove substâncias específicas do sangue, altera ou concentra-as e, em seguida, libera-as para uso posterior ou elimina-as. Tipicamente, uma glândula consiste em um epitélio cuboide ou colunar que repousa sobre uma membrana basal e é circundado por um plexo ou rede de vasos sanguíneos. As glândulas endócrinas, ou sem ductos (por exemplo, pituitária, tireoide, supra-renal) secretam substâncias conhecidas como hormônios diretamente na corrente sanguínea, e não através de ductos. Glândulas exócrinas (por exemplo, saliva, suor, digestivo) descarregam seus produtos através de dutos.

Sistema endócrino – Glândulas do corpo humano

Sistema endócrino humano, grupo de glândulas endócrinas que regulam os processos do corpo, secretando substâncias químicas chamadas hormônios. Os hormônios atuam nos tecidos próximos ou são transportados na corrente sanguínea para atuar em órgãos-alvo específicos e tecidos distantes. Doenças do sistema endócrino podem resultar da supersecreção ou sub-secreção de hormônios ou da incapacidade de órgãos ou tecidos-alvo de responder aos hormônios de forma eficaz.

É importante distinguir entre uma glândula endócrina, que libera hormônios na corrente sanguínea, e uma glândula exócrina, que secreta substâncias através de um ducto que se abre em uma glândula sobre uma superfície interna ou externa do corpo. Glândulas salivares e glândulas sudoríparas são exemplos de glândulas exócrinas. Tanto a saliva, secretada pelas glândulas salivares, quanto o suor, secretado pelas glândulas sudoríparas, atuam nos tecidos locais próximos às aberturas dos ductos. Em contraste, os hormônios secretados pelas glândulas endócrinas são transportados pela circulação para exercer suas ações em tecidos distantes do local de sua secreção.

A secreção da glândula endócrina não é um processo casual; está sujeito a um controle preciso e intrincado para que seus efeitos possam ser integrados aos do sistema nervoso e do sistema imunológico. O nível mais simples de controle sobre a secreção das glândulas endócrinas reside na própria glândula endócrina. O sinal para uma glândula endócrina secretar mais ou menos de seu hormônio está relacionado à concentração de alguma substância, um hormônio que influencia a função da glândula (um hormônio trópico), um produto bioquímico (por exemplo, glicose) ou um elemento biologicamente importante (por exemplo, cálcio ou potássio). Como cada glândula endócrina tem um rico suprimento de sangue, cada glândula é capaz de detectar pequenas mudanças nas concentrações de suas substâncias reguladoras.

Algumas glândulas endócrinas são controladas por um mecanismo simples de feedback negativo. Por exemplo, mecanismos de sinalização de feedback negativo nas glândulas paratireoides (localizadas no pescoço) dependem da atividade de ligação dos receptores sensíveis ao cálcio que estão localizados na superfície das células da paratireoide. A diminuição das concentrações séricas de cálcio resulta na diminuição da atividade de ligação ao receptor de cálcio, que estimula a secreção de paratormônio das glândulas paratireoides. A concentração sérica aumentada de paratormônio estimula a reabsorção óssea (quebra) para liberar cálcio no sangue e reabsorção de cálcio no rim para reter cálcio no sangue, restaurando assim as concentrações de cálcio sérico para níveis normais. Em contraste, o aumento das concentrações séricas de cálcio resulta no aumento da atividade de ligação ao receptor de cálcio e na inibição da secreção de paratormona pelas glândulas paratireoides. Isso permite que as concentrações séricas de cálcio diminuam para níveis normais. Portanto, em pessoas com glândulas paratireoides normais, as concentrações de cálcio sérico são mantidas dentro de uma faixa muito estreita, mesmo na presença de grandes mudanças na ingestão de cálcio ou perdas excessivas de cálcio do corpo.

O controle das secreções hormonais de outras glândulas endócrinas é mais complexo, porque as próprias glândulas são órgãos-alvo de um sistema regulatório chamado eixo da glândula hipotalâmico-pituitária-alvo. Os principais mecanismos nesse sistema regulatório consistem em circuitos de feedback negativo interconectados complexos que envolvem o hipotálamo (uma estrutura localizada na base do cérebro e acima da glândula pituitária), a glândula pituitária anterior e a glândula alvo. O hipotálamo produz neuro-hormônios específicos que estimulam a glândula pituitária a secretar hormônios hipofisários específicos que afetam qualquer um dos vários órgãos-alvo, incluindo o córtex adrenal, as gônadas (testículos e ovários) e a glândula tireoide. Portanto, o eixo da glândula alvo hipotálamo-hipófise permite a entrada tanto neural quanto hormonal na produção de hormônios pela glândula alvo.

Glândulas do corpo humano

Considerações anatômicas – Glândulas do corpo humano

Os órgãos secretórios que compõem o sistema endócrino humano, como a glândula pituitária anterior, as glândulas supra-renais e o pâncreas, sintetizam e secretam hormônios específicos. Além disso, muitas glândulas endócrinas, como a glândula tireóide, os ovários e os testículos, são órgãos discretos, prontamente reconhecíveis, com bordas definidas e funções endócrinas. Outras glândulas estão incorporadas nas estruturas; por exemplo, as ilhotas de Langerhans estão embutidas dentro do pâncreas e podem ser vistas claramente apenas sob o microscópio.

Confira as glândulas:

Testículo – principal hormônio: testosterona. Função: estimula o desenvolvimento de órgãos sexuais masculinos e características sexuais secundárias, incluindo crescimento de pêlos faciais e aumento da massa muscular.

Ovário – principal hormônio: estrogênios (estradiol, estrona, estriol). Função:  estimular o desenvolvimento de órgãos sexuais femininos e características sexuais secundárias, maturação dos folículos ovarianos, formação e manutenção do tecido ósseo e contração dos músculos uterinos. Progesterona: estimula a secreção de substâncias do revestimento do útero (endométrio) em preparação para a implantação do óvulo na parede uterina.

Glândula tireoide – principal hormônio: tiroxina. Função: estimula o metabolismo celular, a produção de lipídios, a utilização de carboidratos e a ativação do sistema nervoso central e autônomo.

Glândula supra-renal, medula – principal hormônio: epinefrina (adrenalina). Função: estimula a resposta de “luta ou fuga”, aumenta a frequência cardíaca, dilata os vasos sanguíneos nos músculos esqueléticos e no fígado, aumenta a liberação de oxigênio nos tecidos musculares e cerebrais, aumenta as concentrações de glicose no sangue e suprime a digestão.

Qual a maior glândula do corpo humano? – Glândulas do corpo humano

glândulas do corpo humano
glândulas do corpo humano

A maior glândula do corpo humano é o fígado, o qual também é o segundo maior órgão do nosso corpo. O fígado é interessante, tendo em vista que pode funcionar como glândula exócrina, liberando hormônios a partir de canais externos e também como glândula endócrina, uma vez que também libera substâncias direto para a corrente sanguínea.