Linguagem coloquial – O que é ?

O jeito que nos comunicamos diariamente passou por muitas diversificações durante a trajetória da língua portuguesa. Hoje, após anos de experiência, dialetos e mudanças na nossa língua, temos um jeito próprio de se comunicar que foge da linguagem formal, mas nem por isso está errado.

Quem nunca ouviu falar do caso vossa mercê – sossemecê – vosmecê – você – ocê/cê, né? Explica bem as contrações da nossa linguagem e como o uso do coloquialismo linguístico é algo correto e comum.

A linguagem coloquial é a linguagem informal, que usamos nas situações cotidianas onde não estamos totalmente preocupados com a gramática e falamos de forma mais espontânea e rápida. Exemplos não faltam: além das contrações, palavras como “mano”, “pô”, usos diferentes para “sem noção”, etc.

A linguagem geral é distinta da fala formal ou escrita formal. É a variedade de linguagem que os falantes costumam usar quando estão relaxados e não são especialmente autoconscientes. Uma expressão é rotulada coloquial em dicionários, quando uma expressão diferente é mais comum no discurso formal, mas isso não significa que a expressão coloquial seja inadequada na fala ou escrita formal ou que seja necessariamente gíria. Muitas pessoas entendem mal este rótulo de dicionário muito comum devido ao equívoco generalizado que coloquial significa “localização” ou uma palavra sendo “regional”. Este não é o caso; a palavra raiz para coloquial está relacionada à locução, não à localização.

Algumas falas coloquiais contêm muitas gírias, mas algumas não contêm gírias. A gíria é permitida em linguagem coloquial, mas não é um elemento necessário. Outros exemplos de uso coloquial incluem contrações ou palavrões.

Na filosofia da linguagem, a “linguagem coloquial” é a linguagem natural comum, distinta das formas especializadas usadas na lógica ou em outras áreas da filosofia. No campo do atomismo lógico, o significado é avaliado de uma maneira diferente do que com proposições mais formais.

Um nome coloquial ou nome familiar é um nome ou termo comumente usado para identificar uma pessoa ou coisa em linguagem informal, no lugar de outro nome geralmente mais formal ou técnico.

Os coloquialismos são distintos da gíria ou do jargão. Gíria refere-se a palavras usadas apenas por grupos sociais específicos, como adolescentes ou soldados. A linguagem coloquial pode incluir gírias, mas consiste principalmente em contrações ou outras palavras e frases informais conhecidas da maioria dos falantes nativos da língua.

O jargão é uma terminologia especialmente definida em relação a uma atividade, profissão ou grupo específico. O termo refere-se à linguagem usada por pessoas que trabalham em uma determinada área ou que têm um interesse comum. Muito parecido com a gíria, é uma espécie de taquigrafia usada para expressar ideias que são frequentemente discutidas entre membros de um grupo, embora também possa ser desenvolvida deliberadamente usando termos escolhidos. Enquanto um termo padrão pode ser dado a um uso mais preciso ou único entre os profissionais de disciplinas relevantes, é frequentemente relatado que o jargão é uma barreira para a comunicação para as pessoas não familiarizadas com o campo respectivo.