O que é o verbo?

O que é o verbo? – As palavras são nada mais que a organização de letras presentes no alfabeto de uma língua (e estas são símbolos padronizados em uma língua), ou a junção de sons feitos pelas vibrações das cordas vocais humanas. Foram inventadas a fim de facilitar a comunicação entre indivíduos de um mesmo povo.

Com a infinidade de palavras existentes em uma única língua, estudiosos decidiram por separar estas em grupos. Chamados de classes gramaticais, ou mesmo classes de palavras, esses agrupamentos são: substantivo, adjetivo, numeral, artigo, pronome, conjunção, preposição, interjeição, advérbio e verbo.

Nesse artigo iremos aprofundar mais no grupo de palavras denominado verbos, para que servem, como são construídas e outras características dessa classe gramatical.

O que é o verbo?

         Os verbos são palavras que fazem parte do vocabulário de todas as línguas existentes no mundo. Sua função é descrever uma ação, estado ou fenômeno, indicando o tempo de ocorrência dessas situações.

Podem ser caracterizados de diferentes formas, tais quais sua estrutura, forma nominal, flexão e classificação.

A estrutura do verbo – O que é o verbo?

         A morfologia – área que estuda a configuração externa das coisas – divide a estrutura do verbo em três partes

Radical

É a parte central do verbo, aquele que nunca muda, independente de flexões de gênero, número e grau. O radical é a parte da palavra que dá o significado.

Exemplos: TECL (teclar, teclei, teclando), PEG (pegar, peguei, pegando), LIMP (limpar, limpei, limpando), LEVANT (levantar, levantei, levantando).

Vogal temática

A vogal temática é uma letra (vogal: A, E, I, O, U), que tem a função de se unir ao radical (acima descrito) e indicar a conjugação verbal a qual a palavra pertence.

Exemplos: TECLA (teclar, teclaria, teclarei), PEGUE (pegue, peguei), EMITI (emitir)

Desinências

São os elementos colocados após a vogal temática e promovem as conjugações. São divididas em dois grupos: Desinências modo-temporais e Desinências número-pessoais.

As desinências modo-temporais servem para mostrar o modo e o tempo.

Exemplo: TECLAVA (“va” é desinência modo-temporal, pois indica o tempo (pretérito), e o modo (indicativo)).

As desinências número-pessoais servem para indicar as pessoas e o número (singular ou plural).

Exemplo: TECLÁVAMOS (“mos” é desinência número-pessoal, pois indica a pessoa e o número (1ª pessoa do plural)).

Formas nominais – Como conjugar um verbo? 

Os verbos também são caracterizados segundo a sua forma nominal. Também são três: Gerúndio, Particípio e Infinitivo.

Gerúndio

Essa forma nominal indica a continuidade do verbo. Serve para mostrar uma atividade em andamento ou uma atividade que perdura por muito tempo. É caracterizado por sua terminação em “ndo”.

Exemplos de verbos em gerúndio:

  • Carlos está dirigindo o carro;
  • Thiago está levando os remédios para a casa de sua mãe;
  • As crianças estão brincando no parque de diversões;
  • O time está jogando muito bem nesse campeonato;

O gerúndio é responsável por um vício de linguagem muito comum no cotidiano e na língua falado: o gerundismo. O gerundismo ocorre quando há uso de três verbos de forma consecutiva, sendo que o último está no gerúndio.

Exemplos de gerundismo:

  • Vou estar passando a ligação para o meu chefe (Passarei a ligação para o meu chefe);
  • Ela vai estar transferindo aquele dinheiro para sua conta (Ela transferirá aquele dinheiro para sua conta);

Particípio

O particípio é uma forma nominal que indica uma atividade já acabada.

Exemplos:
  • O professor já havia explicado essa matéria na semana passada;
  • O trabalho está terminado, podemos entrega-lo ao chefe;
  • Fui ao mercado comprar carne, mas Ana já havia comprado;

Também pode ser utilizado como adjetivo (caracterizando substantivos)

Exemplos:

  • Grato, João beijou as bochechas de sua amiga;
  • Corrompidos, os políticos roubaram dinheiro de toda uma população;

A maioria dos verbos possui duplo particípio, ou seja, duas formas diferentes de se escrever ou falar o particípio. São os particípios regulares e irregulares.

Exemplos:

  • Inverter: Invertido (particípio regular), inverso (particípio irregular);
  • Corrigir: Corrigido (particípio regular), correto (particípio irregular);
  • Completar: Completado (particípio regular), completo (particípio irregular);

Infinitivo

O infinitivo é a forma nominal dos verbos que não possui tempo ou modo. Pode ser pessoal (quando tem sujeito) ou impessoal (quando não tem sujeito).

Exemplos:

  • O segurança da boate os convidou a irem embora (infinitivo pessoal, já que “irem” possui sujeito);
  • Comer é muito bom (infinitivo impessoal, já que “comer” não possui sujeito);

Flexões Verbais  – O que é o verbo?

Os verbos também são palavras caracterizadas a partir de suas variações, que podem ocorrer de variados tipos:

  • Pessoa: Os verbos podem variar de acordo com a pessoa, ou seja, pode ser de 1ª, 2ª ou 3ª.
  • Tempo: Os verbos variam de acordo com o tempo em que é colocado, podendo ser pretérito (teclava), futuro (teclarei) e presente (teclo).
  • Número: Essa variação diz respeito à quantidade, e pode ser diferencia em singular (eu teclo) ou plural (nós teclamos);
  • Modo: Diz respeito à intenção do uso do verbo. É divido em indicativo (para exprimir certezas), subjuntivo (para exprimir possibilidades) e imperativo (para dar ordens);
  • Voz: Diz respeito à relação da ação com o sujeito. É dividida em Voz Ativa (quando o sujeito pratica a ação), Voz passiva (quando o sujeito não pratica ação, mas sofre com as consequências dela) e Voz Reflexiva (quando o sujeito pratica a ação e sofre as consequências destas;

Classificação dos verbos – O que é o verbo?

         Os verbos ainda são diferenciados quanto a sua classificação, as quais:

  • Verbos regulares: Quando o radical do verbo nunca muda (cantar, falar);
  • Verbos irregulares: Quando o radical do verbo pode mudar (ser, ir, caber);
  • Verbos defectivos: Quando o verbo não pode ser conjugado em todas os tempos, modos e pessoas (chover – só é conjugado na terceira pessoa -, falir – não possui plural e só é conjugado na terceira pessoa);
  • Verbos abundantes: Quando o verbo possui o mesmo significado e é aceito em mais de uma forma (aceitado/aceito, convencido/convicto, suspeitado/suspeito)