Bullying (Tema de Redação)

O Bullying é um tema que vem sendo muito discutido nos últimos anos, principalmente em ambiente escolar. É um tema sério e de importante compreensão. Saber seu conceito e suas consequências previne sua ocorrência e cria uma percepção coletiva sobre o comportamento. O bullying inclusive é um belo tema para redações em provas e vestibulares, então, vamos discutir o tema!

O Bullying é um termo em inglês sem uma tradução literal, mas que pode ser compreendido como: intimidação, intencionalidade ou assédio direcionado a alvos vulneráveis e tipicamente repetido. O bullying engloba uma ampla gama de comportamentos agressivos maliciosos, incluindo violência física, zombaria verbal, ameaças, ostracismo e rumores espalhados oralmente ou por outros meios de comunicação, como a Internet.

Dado o dano que um único incidente pode causar, no entanto, alguns estudiosos questionam se o comportamento deve ser repetido para se qualificar como bullying. Além disso, nem todas as pessoas envolvidas nessa interação podem ser categorizadas como meros bullies ou vítimas puras; a pesquisa distinguiu uma terceira categoria de “vítimas da violência”, jovens que são tanto agressores quanto vítimas.

Bullying escolar

Bullying em ambientes educacionais continua a ser uma experiência cotidiana comum. Pesquisas mostram que a prevalência de bullying aumenta rapidamente à medida que as crianças envelhecem, chegando ao pico durante a adolescência precoce, e declina na adolescência tardia. Padrões distintos de gênero também foram identificados, a maioria dos estudos descobriu que os meninos intimidam seus colegas de classe com mais frequência do que as meninas e que os meninos tendem a atingir outros meninos. No entanto, ambas as descobertas podem ser em parte artefatos de uma concepção restrita de bullying como assédio explícito, em oposição à propaganda fraudulenta de rumores e ao ostracismo. As definições das crianças sobre o bullying centram-se na agressão física e no abuso verbal, que são mais comuns entre meninos e adolescentes mais jovens.

Quando os estudos adotam uma medida mais ampla que inclui formas mais sutis de agressão, como espalhar boatos, ostracismo, manipulação e “cyberbullying” (postagem eletrônica anônima de mensagens mal-intencionadas sobre uma pessoa), as diferenças de gênero e idade tornam-se menos dramáticas. De fato, algumas pesquisas encontraram níveis equivalentes de agressão, amplamente definidos, entre meninas e meninos. Ao mesmo tempo, as meninas tendem a ser desproporcionalmente vitimizadas, tanto por meninos quanto por outras meninas.

Os resultados dos estudos da estrutura e do status socioeconômico das famílias também estão misturados em relação à probabilidade de as crianças se tornarem agressoras. No entanto, a exposição à agressão e conflito no lar se relaciona consistentemente ao comportamento agressivo. Os pais que são agressivos ou negligentes, usam castigos corporais ou se envolvem em sérios conflitos entre si são mais propensos a ter filhos que intimidam.

Ao longo da adolescência, grupos de pares tornam-se cada vez mais importantes e, em alguns casos, eclipsam as influências dos pais. Como dentro da família, a exposição à agressão no grupo de pares está associada ao comportamento de bullying. Há uma forte tendência de os valentões serem amigos de outros valentões em sua classe ou escola. Não está claro até que ponto isso ocorre porque os agressores escolhem outros agressores como amigos ou porque influenciam seus amigos a se envolverem em agressões, mas a pesquisa normalmente descobre que tanto os processos de seleção quanto os de influência estão em ação.

Pesquisas frequentemente descobriram que – talvez como resultado da exposição a conflitos e agressões em casa e na escola – os agressores sofrem de problemas de saúde mental. O bullying pode surgir como uma resposta a baixos níveis de autoestima e empatia ou a níveis elevados de ansiedade, depressão ou raiva. Pesquisas adicionais documentaram que os agressores têm dificuldade de se adaptar à escola e que as falhas acadêmicas podem contribuir para seu comportamento agressivo. Estes resultados de pesquisa juntos sugerem que o bullying é causado por deficiências psicológicas, que por sua vez são desencadeadas pela exposição a agressões e conflitos.

O bullying surge de processos sociais fundamentais, e nem sempre é identificado com precisão como um traço de personalidade negativa por colegas e espectadores. Os termos valentão e vítima em si podem ser enganosos, porque sugerem uma permanência nessas características que nem sempre é refletida na interação social real. Como mencionado anteriormente, as pessoas podem ser tanto perpetradoras quanto alvos, o que põe em dúvida a estabilidade das identidades de valentão e vítima. Além disso, o comportamento de bullying geralmente parece se desenvolver em reação a lutas por status e poder dentro de contextos de grupo. Dependendo da situação, os indivíduos podem se envolver em danos deletérios de curto prazo.

Embora as causas do bullying ainda não sejam claras, suas consequências para as vítimas são abundantes. O Departamento de Educação dos EUA, descobriu que o bullying foi um fator na maioria dos “incidentes de violência escolar direcionada” nas últimas duas décadas e meia do século XX. A vitimização também está significativamente relacionada à ideação suicida, isolamento social, ansiedade e depressão, baixa autoestima, problemas de saúde física e desempenho acadêmico diminuído e apego escolar. Muitos desses efeitos podem durar até a idade adulta.

No entanto, as vítimas não são as únicas que sofrem de bullying. Para muitos resultados, as vítimas de bully costumam sofrer o pior em uma variedade de medidas, mas os bullies puros também enfrentam dificuldades. Eles estão em maior risco de problemas de saúde mental subsequentes e são susceptíveis de encontrar dificuldades em manter relacionamentos positivos como adultos. Mais significativamente, os valentões são consideravelmente mais propensos a serem condenados por crimes e encarcerados como jovens adultos.

Bullying no Local De Trabalho

O bullying se estende além dos jovens e do pátio da escola. Os adultos também sofrem com o bullying, e o local de trabalho constitui um local privilegiado por sua ocorrência. As definições de bullying no local de trabalho são mais complexas do que as do bullying escolar. A maioria das definições abrange várias formas de assédio no ambiente de trabalho que diferem das variantes sexuais, raciais e outras explicitamente ilegais. O bullying no trabalho consiste em comportamentos como menosprezar as opiniões dos outros, atos de humilhação pública e intimidação, insultos, isolamento, excesso de trabalho e remoção injustificada da responsabilidade.

No local de trabalho, o bullying geralmente envolve uma pessoa no poder, como um gerente ou supervisor, aproveitando-se de um funcionário menos poderoso. Note-se que este processo difere do bullying escolar em que o comportamento agressivo entre os estudantes dentro de um ambiente educacional, muitas vezes resulta de pares relativamente iguais que competem por poder informal e status social. O assédio moral no local de trabalho é mais adequado para representar um abuso ou uso indevido de poder legítimo.

O assédio moral no trabalho produz uma série de consequências negativas para as vítimas e também para os espectadores. As consequências incluem menor satisfação no trabalho e compromisso com o emprego, além do aumento do estresse, diminuição da sensação de bem-estar e uma variedade de resultados negativos na saúde. Esses efeitos do bullying no local de trabalho podem, por sua vez, produzir efeitos em cascata nos quais amigos e familiares que não fazem parte do ambiente de trabalho da vítima se envolvem.