Línguas estrangeiras no Enem

Línguas estrangeiras no Enem

O Exame Nacional do Ensino Médio, conhecido popularmente como Enem, é um dos maiores vestibulares do mundo. No ano de 2009, com o objetivo de unificar todos os exames para ingresso em universidades federais do Brasil, o então ministro da educação Fernando Haddad apresentou o projeto de alterar a organização da prova, mudando para uma prova objetiva – com 180 questões, divididas em quatro áreas do conhecimento – e uma prova subjetiva – redação no gênero dissertativo argumentativo com, no máximo, 30 linhas.

A partir daí, o Enem se tornou o segundo maior vestibular de todo o mundo, ficando atrás apenas do exame unificado para ingresso em ensino superior da China. Isso fez com que o Exame, que é organizado e elaborado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), se tornasse um dos momentos mais importantes na vida de milhões de pessoas todos os anos, as quais sonham em ingressas em curso superior de qualidade.

Dentre desse novo modelo de prova, um dos aspectos que mais causa ansiedade nos candidatos está na prova de Linguagens, Códigos e Tecnologias. Isso se dá pelo fato de que, nessa parte da prova, o indivíduo deve responder, no mínimo, cinco questões de Línguas Estrangeiras, podendo ser de Inglês ou Espanhol.

Como escolher a Língua Estrangeira no Enem?

As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio são feitas, na grande maioria das vezes, no início do ano. Tomando como base o ano de 2018, o período para a inscrição no exame se deu entre os dias 7 de maio até 18 de maio. Para fazer a inscrição, o candidato deve colocar todos os seus dados pessoais, incluindo números de documentos, nome, idade, dentre outros.

Nesse momento de preenchimento do formulário, há uma opção que onde o indivíduo pode escolher dentre as alternativas de Inglês ou Espanhol. A inscrição no Enem só será confirmada caso o candidato pague, no boleto, o valor da inscrição, que no ano de 2018 foi de R$ 82,00. Em alguns casos onde a pessoa comprove a sua baixa renda, é possível declarar carência e fazer a prova sem ter de pagar a taxa.

Durante todo o período em que as inscrições estiverem abertas, é possível mudar a sua opção para Língua Estrangeira. A partir do momento em que esse tempo terminar, essa mudança não é mais possível.

O que escolher para o Enem – Inglês ou espanhol?

Não é possível dar uma resposta geral a esse questionamento. Muitas pessoas se julgam incapazes de escolher entre um e outro, principalmente pelo fato de que não terem noção alguma sobre nenhuma das duas pessoas. Para esse público, a maior dica é que escolha Inglês.

Isso se dá pelo fato de que o inglês é uma língua bem mais presente no nosso dia a dia, na internet, nos videogames, nas séries e filmes que vemos sempre. Já o espanhol, apesar de ser uma língua mais próxima ao português, é bem distante da nossa realidade e pode confundir bastante no momento crucial.

No entanto, como já dito no primeiro parágrafo, não é possível prever o que o candidato irá entender melhor. A melhor dica que pode ser dada é para que o candidato tente fazer algumas questões das duas línguas estrangeiras, e escolha a que se der melhor.

Línguas estrangeiras no Enem: a prova de inglês

A prova de Inglês no Enem contém, como todas as provas de Língua Estrangeira, 5 questões. Geralmente, essas questões cobram interpretação de textos do candidato, pedindo apenas para que ele responda questões acerca do texto existente no item. As alternativas são em português, mas os textos em inglês.

Ultimamente, mais precisamente depois do ano de 2015, as questões de Inglês no Enem passaram a cobrar textos ligeiramente mais extensos e complexos. Para justificar isso, o INEP declarou que o objetivo sempre foi testar se o candidato consegue ler e interpretar um texto em outra língua. A partir dessa motivação, aquelas antigas questões mais simplificadas, que questionavam como se escrevia uma palavra ou mesmo como era o passado dela, não parecem ser mais a prioridade de órgão.

Contudo, isso não significa que, para se preparar no Enem, o candidato deve deixar de lado os estudos em gramática e ortografia. O que deve acontecer é totalmente o oposto, uma vez que com textos mais complexos são esses fatores que poderão te ajudar a ter uma ideia do que aqueles parágrafos estão querendo dizer.

Para se sair bem na prova de Inglês no Enem, o mais indicado é que o indivíduo pegue as provas dos anos anteriores, principalmente as que aconteceram no ano de 2015 para frente. A própria plataforma online do INEP disponibiliza, de forma gratuita, as provas do exame desde 2009.

Línguas estrangeiras no Enem: a prova de espanhol

A prova de Espanhol no Enem é bem parecida com a de Inglês, uma vez que ela também conta com 5 questões, e o que é cobrado também é, na grande maioria das vezes, a interpretação de textos.

Muitos candidatos que optam por fazer a prova de Espanhol fazem escolha pelo fato de que essa língua é mais aproximada do português. No entanto, mesmo com isso sendo um fato, já que as duas derivam do latim, não se pode relaxar. Os textos que são colocados nas questões são bastante variados: podem ser trechos de livros, com um ou dois parágrafos, charges humorísticas ou até mesmo trechos de notícias em jornais de língua espanhola, como o El Pais, da Espanha, e o Clarin, da Argentina.

Para estudar para a prova de Espanhol no Enem é indicado que o candidato tente ler textos nessa língua, principalmente os que são veiculados nos jornais que a tem como língua principal. Escutar músicas e ver filmes e séries em espanhol também pode ajudar bastante o indivíduo a se familiarizar com a língua.

A importância das Línguas Estrangeiras no Enem

É bastante comum encontrarmos pessoas que, pelo fato de saberem que são apenas 5 questões de Língua Estrangeira no Enem, deixam essa matéria de lado e pensam que não irá fazer falta. No entanto, isso é um dos maiores erros que podem ser cometidos.

O Enem é uma prova feita por mais de 8 milhões de pessoas todos os anos, o que faz dele um vestibular altamente disputado. Dessa forma, qualquer questão a mais que a pessoa acerta pode ser a chance de uma vaga em uma grande instituição pública de curso superior, ou até mesmo de uma bolsa em universidade particular, por meio do Programa Universidade para Todos, conhecido como ProUni.